Monday, August 16, 2010

live, love, laugh





Enfim I am back!
As vezes eu nem sei porque a Vivi tem aquela bunda gorda se ela não senta na cadeira pra escrever no blog... isso porque reclamou o fim de semana todo que não tinha o que fazer...
Mas amigos são pra essas coisas, eu escrevo por mim e por ela visto que passamos a maior parte do tempo juntas...

Agora estou na praia com a Host family, South Caroline, Myrtle Beach. Não é uma praia brasileira mas é legal, ta sendo melhor do que eu esperava, menos trabalho, mais relax.

Bom mais vim aqui pra falar sobre duas coisas que aconteceram esse fim de semana, e me colocaram em crise mais uma vez, o que não é por total ruim, eu to me conhecendo melhor, abrindo meus horizontes, coisas que eu nunca conseguiria se não tivesse passando por isso.

Sexta eu fui no cinema com a Vivi, assistir "Eat, Pray and Love". O filme é fantástico (não vejo a hora de voltar pra "casa" e comprar o livro), fala basicamente sobre uma mulher que resolve dar um tempo na vida e viajar pelo mundo aproveitando dos prazeres da boa comida, aprendendo a se conhecer através da calma e paz de espírito e por fim desfrutando de um amor verdadeiro.

Eu me vi ali. Me vi viajando pelo mundo, conhecendo o tudo aquilo, a Índia, ahh como eu quero ir pra lá. Me vi ali, me descobrindo, descobrindo pessoas, amores.
Eu não quero crescer, não to pronta pra minha vida de adulto, fechada em um escritório trabalhando 11 meses por ano pra aproveitar 3 semanas de férias meus sonhos e planos não cabem aí.
Ou melhor, eu estou pronta sim e exatamente por isso que não quero encarar os fatos. Não me interpretem mal, por favor, eu não estou dizendo que quero passar a vida bancada por alguma força do além fazendo nada, muito menos limpando bunda de criança na América( do norte). Só acho que descobri cedo demais que ainda não achei minha verdadeira paixão pra viver, não achei aquilo que quero fazer pro resto da vida.

E quando digo que descobri cedo demais quero dizer que muitas vezes as pessoas nunca descobrem isso, ou melhor nunca procuram por isso. Ou quando descobrem é muito tarde, já tem uma casa, família e trabalho então não é mais uma possibilidade jogar tudo pro alto.

Eu não digo que quero parar minha faculdade, fugir do Brasil ou qualquer coisa assim. Mas quanto mais agente se descobre, mais agente quer se descobrir e eu estou me conhecendo dia a dia. Não quero parar agora, não mesmo.

Então depois de tudo isso algumas vezes de olhos lacrimejantes eis que começo ouvir algum som conhecido, algo como " é melhor se alegre que ser triste felicidade é a melhor coisa que existe..."
sim, música brasileira na trilha sonora, ela conhece um brasileiro e se apaixona, parece que o filme queria me dizer: Acorda Juliana, isso é um filme, não é vida real, sua vida é no Brasil, em Tupã, sentada na penúltima carteira da fileira da parede esquerda do prédio da Univesidade Estadual Paulista.
Deixa, eu nunca fui de ouvir conselhos mesmo...

Então eu vim pra praia, passei meu fim de semana lendo Dear Jonh, o livro fantástico também ( pra quem viu o filme, eles não seguem o mesmo roteiro) a historia é praticamente sobre um casal que se conhece, ela ta na faculdade, ele no exercito se apaixonam, trocam cartas por 3 anos planejam se casar então acontece o 11 de Setembro, ele escolhe ficar mais no exército, ela se casa com o melhor amigo, cada um segue sua vida sem no entanto deixar de se amar.
História cliché, romance açucarado.
Mas esse não é o ponto, me peguei pensando em todos os planos que faço pra quando voltar pra casa, todas as cartas (posts) que escrevo, todas as decisões que tenho que tomar.
O quanto o que eu decido aqui afeta a minha vida, e finalmente aonde tudo isso vai me levar.
Eu vou poder dizer que tive um ano pra me conhecer, que sei do que eu gosto e não gosto, que conheci, vivi, amei ( de uma forma diferente, mas amei) amei pessoas, coisas, lembranças.

Quase 6 meses no além mar, ainda não estou sonhando em inglês, mas me pego frequentemente pensando em situações em inglês a agora mais do que nunca não conseguindo mais me expressar em português. E é assustador como Brasil com S parece tão gramaticalmente errado.
Ainda posso dizer que já passei por muito nessa vida, não tenho medo do escuro assim como não tenho medo do que é novo.
E não como uma coisa boa eu descobri que posso dizer: eu quero, eu faço!
Ponderar escolhas quando tudo se torna uma opção é muito mais difícil do que eu pensava.

Quero abraços, boa musica, e conseguir planejar minha vida por mais que 6 meses.
Coisas que dólares não compram e hamburguês não satisfazem.

Com diz meu novo colar e mais novo amuleto ( que não é o mesmo da foto ): Live, Love, Laught ( Viva, ame, ria)
Vivam, amem, riam! depois voltem pra me contar o final!

Juliana Priscila Faria de Carvalho.

2 comments:

Lady Nana said...

Amei - Mais uma vez me identifiquei com o post!

Mandy said...

Adoreeeei o post!!!!!

Post a Comment

Previous Post Next Post Back to Top